Moraes manda redes sociais tirarem do ar post de Latino com fake news sobre Lula

 Moraes manda redes sociais tirarem do ar post de Latino com fake news sobre Lula

Apoiador de Bolsonaro, cantor insinuou que, se Lula for eleito, banheiros passarão a ser unissex. Para Moraes, post busca ‘desinformar a população acerca de temas sensíveis’.

O ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou às redes sociais YouTube e Twitter que retirem do ar uma publicação feita pelo cantor Latino com fake news sobre o ex-presidente Lula (PT).

Apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), o cantor publicou uma mensagem insinuando que, se Lula for eleito, meninas e meninos passarão a frequentar o mesmo banheiro nas escolas. A campanha de Lula, então, acionou o TSE e pediu que o conteúdo fosse retirado do ar.

Ao analisar o pedido, Alexandre de Moraes entendeu que a publicação busca “desinformar a população acerca de temas sensíveis”.

“A Constituição Federal não autoriza, portanto, a partir de mentiras, ofensas e de ideias contrárias à ordem constitucional, a Democracia e ao Estado de Direito, que os pré-candidatos, candidatos e seus apoiadores propaguem inverdades que atentem contra a lisura, a normalidade e a legitimidade das eleições”, escreveu Moraes.

O colunista do g1 Valdo Cruz informou que a campanha de Bolsonaro tem a chamada “guerra santa” como estratégia eleitoral, buscando atrair o eleitorado evangélico. Diante disso, Bolsonaro e seus apoiadores têm disseminado diversas fake news sobre Lula.

O próprio presidente Jair Bolsonaro tem dito em discursos que, se Lula for eleito, os banheiros passarão a ser unissex nas escolas. Lula, porém, nunca apresentou essa proposta nem disse que, se eleito, adotará tal medida.

Combate às fake news
O TSE tem adotado uma série de decisões para combater a disseminação de fake news durante o período eleitoral.

Nesta quinta (20), por exemplo, o tribunal aprovou uma resolução que dá mais agilidade ao processo de retirada do ar das fake news.

Um dia antes, na quarta (19), a proposta foi discutida numa reunião entre Moraes e representantes das plataformas digitais.

Além disso, em fevereiro, o TSE firmou um acordo com diversas redes sociais para que medidas fossem adotadas para conter as fake nes.

 

 

Notícias relacionadas