11 de setembro: Dia Nacional do Cerrado: Proteção é Vital para o Futuro do Brasil

 11 de setembro: Dia Nacional do Cerrado: Proteção é Vital para o Futuro do Brasil

Assunto: Vista Aérea da Reserva Natural Serra do Tombador – RPPN da Fundação Grupo BoticárioInformação Adicional: Inserida na Reserva da Biosfera do Cerrado GoyazLocal: Cavalcante – GOData: 11/2016Autor: Andre Dib

Neste Dia Nacional do Cerrado, celebrado em 11 de setembro, é fundamental ressaltar a importância vital deste bioma para o futuro do Brasil. O Cerrado, considerado o berço das águas do país, abriga oito das 12 principais bacias hidrográficas brasileiras, incluindo as nascentes dos rios São Francisco e Paraná. No entanto, a crescente degradação do bioma, resultado do desmatamento exacerbado e do uso excessivo da água, coloca em risco não apenas sua rica biodiversidade, mas também aspectos essenciais da vida nacional.

Especialistas alertam que a degradação do Cerrado pode ter sérios impactos socioeconômicos negativos, afetando diretamente o abastecimento de água, a geração de energia e a produção de alimentos no Brasil. Segundo um estudo conduzido pelo geógrafo Yuri Salmona, da Universidade de Brasília (UnB), os rios do Cerrado já perderam alarmantes 15,4% de sua vazão de água devido ao desmatamento e às mudanças climáticas entre 1985 e 2022.

Nos últimos tempos, a situação tornou-se ainda mais preocupante. Entre agosto de 2022 e julho deste ano, a área de vegetação perdida no Cerrado alcançou a marca de 6.359 quilômetros quadrados, registrando o pior índice da série histórica iniciada entre 2017 e 2018, conforme dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Esse desmatamento está concentrado principalmente na região conhecida como Matopiba, composta pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, áreas que têm testemunhado uma expansão significativa do agronegócio.

Reuber Brandão, membro da RECN – Rede de Especialistas em Conservação da Natureza e professor de manejo de fauna e áreas silvestres da Universidade de Brasília, destaca que a perda da vegetação do Cerrado já afeta drasticamente a disponibilidade hídrica em todo o território nacional. Isso pode resultar em problemas no abastecimento de água para as cidades, afetar a geração de energia elétrica e impactar a produção agrícola. Portanto, a conservação desse bioma torna-se uma prioridade não apenas para a preservação da natureza, mas também para a garantia de recursos essenciais para a sociedade.

O Cerrado, que originalmente ocupava áreas do Distrito Federal e dos estados de Goiás, Tocantins, Bahia, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Piauí, Rondônia, São Paulo, Amapá, Amazonas, Pará, Roraima e Paraná, é uma das regiões mais ricas em biodiversidade do planeta, abrigando cerca de 12 mil espécies de plantas e mais de 2,5 mil espécies de animais catalogados, incluindo aves, mamíferos, peixes, répteis, anfíbios e invertebrados.

Neste cenário crítico, a conservação do Cerrado ganha destaque como um imperativo nacional. Empresas, órgãos governamentais e a sociedade civil precisam unir esforços para conter a degradação desse bioma e promover sua preservação. Além de seu valor intrínseco, o Cerrado desempenha um papel crucial na manutenção do equilíbrio ambiental, na proteção de nascentes e na mitigação das mudanças climáticas, armazenando aproximadamente 212 mil toneladas de carbono.

A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma das entidades que têm empreendido esforços significativos para a conservação do Cerrado. Atualmente, a instituição mantém a Reserva Natural Serra do Tombador, localizada em Cavalcante (GO), no coração do bioma. A reserva, com seus 8.730 hectares, tem um papel vital na proteção da biodiversidade, na prevenção de incêndios na região e na preservação de nascentes que alimentam o Rio São Felix, um importante afluente do Rio Tocantins.

A Reserva Natural Serra do Tombador abriga 437 espécies de plantas e 531 espécies de animais, incluindo espécies emblemáticas do Cerrado, como a onça pintada, o tatu-canastra, o lobo-guará e o pato-mergulhão, muitas das quais estão ameaçadas de extinção. Além disso, a área desempenha um papel fundamental na mitigação das mudanças climáticas, armazenando carbono atmosférico.

Um estudo de valoração publicado em 2015 revelou que os benefícios gerados pela conservação da Reserva Natural Serra do Tombador superam significativamente os lucros que seriam obtidos com a exploração agropecuária. Isso inclui a prevenção da erosão do solo, a redução de emissões de carbono por desmatamento e degradação florestal (REDD) e o impacto das contratações e aquisições locais. Portanto, a conservação do Cerrado não apenas protege a biodiversidade, mas também oferece benefícios econômicos e ambientais substanciais.

Entre os temas prioritários de pesquisa científica na reserva estão a ecologia e o manejo do fogo, o controle e a erradicação de espécies invasoras, a estabilidade dos solos e o combate a processos erosivos. Em um momento em que a proteção dos biomas naturais se torna crucial para a sobrevivência do planeta, a conservação do Cerrado e de áreas como a Reserva Natural Serra do Tombador desempenha um papel fundamental na construção de um futuro sustentável para o Brasil e o mundo. O Dia Nacional do Cerrado é uma oportunidade para refletirmos sobre a importância desse bioma e o papel de cada um na sua preservação.

Céu Albuquerque

Engenheira Civil em Segurança do Trabalho, especialista em Orçamentação, Planejamento e Controle na Construção Civil, Jornalista e Fotógrafa.

Related post

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *