Nos siga nas redes sociais

Ceará

21º Festival Jazz & Blues começa durante o Carnaval em Guaramiranga e Aquiraz

Após o Carnaval, o Festival continua com programação em Fortaleza e Maracanaú, no Ceará.

Publicado

em

Shows, ensaios abertos, bate-papos e ações formativas de música marcam o tradicional Festival Jazz & Blues, que em 2020 festeja a maioridade absoluta com os bons sons ecoando no Ceará. Com atrações locais, nacionais e internacionais, a 21ª edição acontece de 22 a 29 de fevereiro, com programação de 22 a 25 em Guaramiranga, cidade serrana localizada no Maciço de Baturité, a cerca de 100 Km de Fortaleza, nos dias 22 e 23 em Aquiraz, no Litoral Leste, de 27 a 29 em Fortaleza, e no dia 27 em Maracanaú, na Região Metropolitana.

AÇÕES FORMATIVAS

Quem quiser participar das atividades formativas nas quatro cidades, já pode garantir a vaga. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por meio do site www.jazzeblues.com.br, onde também estão as informações detalhadas. Em Guaramiranga, a primeira atividade será o Minicurso de História do Jazz, de 18 a 20, com o professor e músico Edson Távora no Auditório do IFCE Campus Guaramiranga. Nos quatro dias do Festival na serra, 22 a 25, o professor João Paulo Moreno ministra, no mesmo local, o Minicurso de Violão. Na sede da AGUA – Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga o contrabaixista Jorge Helder, cearense residente em Brasília, profere no dia 23 a palestra “Viver de música” e, no dia seguinte, as instrumentistas mineiras Luísa e Natália Mitre realizam a palestra-concerto “Compositoras Brasileiras”.

O guitarrista Felipe Cazaux ministra Oficina de Guitarra em Guaramiranga, dia 22 na AGUA, e dia 29 em Fortaleza, na Casa de Vovó Dedé. Também nas duas cidades o brasiliense Pablo Fagundes conduz Oficina de Gaita. Será no dia 25 na AGUA e no dia 28 no Centro Cultural Banco do Nordeste, na Capital. Em Aquiraz, na Tapera das Artes, o grupo argentino Yamile Burich & Ladies Jazz ministra uma Oficina de Improvisação no domingo, dia 23. Após a Quarta-Feira de Cinzas, além das oficinas de Felipe Cazaux e Pablo Fagundes, acontece em Fortaleza uma oficina-concerto com o acordeonista Nonato Lima no dia 27 no Espaço Cegás de Cultura e, em Maracanaú, no dia 27, uma Oficina de Vibrafone com Natália Mitre.

EM GUARAMIRANGA

Na cidade serrana, a programação começa cedo, com atividades lúdicas no Espaço Dó Ré Mi Atividades Infantis, na Cidade Jazz & Blues, de domingo a terça-feira, às 9h30. O finalzinho da manhã nos quatro dias, às 11h, é marcado pelo tradicional Café no Tom, que é um bate-papo com uma das atrações do Festival, conduzido pelo jornalista Dalwton Moura no Restaurante Basílico, na Praça do Teatro Rachel de Queiroz. É um momento descontraído, marcado pela proximidade do artista com o público. De sábado a segunda-feira às 16h, na Cidade Jazz & Blues, tem o concorrido Ensaio Aberto, onde o público pode conferir um pouco do que vai ser o Show das Nove.

No fim da tarde já começam os espetáculos do Festival. A sessão Show das Cinco apresenta duas atrações por dia, de sábado a segunda-feira. Depois tem o Show das Nove, que é a única programação não gratuita do Festival na serra. No palco, a atração que fez o Ensaio Aberto. E para fechar os três primeiros dias, mais uma grande atração no Show das Onze. Todas as apresentações acontecem na Cidade Jazz & Blues, espaço erguido anualmente pelo Festival. 

Na terça-feira a programação é diferente com a Maratona Jazz & Blues. É uma festa aberta, gratuita, para encerrar com muita música a etapa serrana desta edição. São quatro shows seguidos em uma única sessão que começa às 16h30.

AÇÕES AMBIENTAIS

Os primeiros quatro dias do Festival acontecem em uma das cidades do Maciço de Baturité que são privilegiadas pela riqueza e a beleza da fauna e da flora da Mata Atlântica. Preservar é preciso. Por isso, anualmente o Jazz & Blues se une a instituições para realizar ações de conscientização sobre a importância de cuidar deste paraíso ecológico do Estado. Em parceria com a Cagece e a Secretaria do Meio Ambiente do Ceará (SEMA), o Festival dá as boas-vindas aos visitantes e veranistas, no sábado, 22, às 8 horas da manhã, com uma Blitz Ecológica na entrada de Guaramiranga.

No domingo, também em parceria com a SEMA, acontecem duas atividades. Às 7h30 da manhã haverá Observação de Pássaros e Trilha Ecológica no Refúgio da Vida Silvestre Periquito Cara Suja, no Campo do Batalha Guaramiranga. Na Cidade Jazz & Blues a produção do Festival dará as informações necessárias para quem quiser participar desta programação. No fim da tarde, a partir das 16 horas, mais uma Blitz Ecológica, dessa vez, no Pico Alto, no distrito de Pernambuquinho, em Guaramiranga, um dos principais pontos turísticos da região.

NOS PALCOS DO FESTIVAL

Atrações renomadas da música instrumental sobem aos palcos do Festival nesta edição; algumas já conhecidas do público cativo. É o caso do paulista Trio Corrente, um dos grupos mais inventivos da cena de jazz brasileira. Em um show comemorativo de 20 anos de carreira, faz um apanhado dos seis álbuns lançados, com novos arranjos. Formado por Edu Ribeiro, Fábio Torres e Paulo Paulelli, o Trio Corrente participou em 2010 do Jazz & Blues em uma parceria até então inédita com Paquito D’Rivera que ganhou o mundo.

Uma das cantoras mais importantes da cena brasileira das últimas décadas, a carioca Zélia Duncan sobe ao palco do Festival muito bem acompanhada pelo violoncelista Jaques Morelenbaum. Eles apresentam o show “Invento +”, fruto do elogiado disco que lançaram juntos em 2017, com o qual Zélia ganhou, no ano seguinte, o prêmio de melhor cantora de MPB no 29º Prêmio da Música Brasileira. O disco é uma viagem no cancioneiro de Milton Nascimento, com músicas presentes na memória afetiva de ambos, em especial da década de 70.

A banda Black Flower, da Bélgica, aporta no Festival pela primeira vez. Formado pelo compositor e instrumentista Nathan Daems (saxofone e flauta), Simon Segers (baterista), Jon Birdsong (cornet), Wouter Haest (teclado) e Filip Vandebril (baixo), o quinteto apresenta repertório de seu terceiro álbum, Future Flora, marcado pelo jazz híbrido, baseado em sons africanos, melodias orientais e batidas psicodélicas, criando uma atmosfera onde sons antigos e modernos se fundem de forma poderosa e envolvente.

Da Argentina vem Yamile Burich & Ladies Jazz, um dos grupos mais atuantes na efervescente cena jazz de Buenos Aires. O quinteto feminino capitaneado pela saxofonista Yamile Burich acrescenta à sonoridade do bebop diferentes ritmos latino-americanos. No Festival apresenta o show “Alegría”, título do terceiro álbum, lançado em 2019. A vinda do grupo é resultado da convocatória “Ajuda a festivais e encontros para a circulação de músicas e músicos” do Ibermúsicas – Programa de Fomento das Músicas Ibero-Americanas, de 2019, no qual o Festival Jazz & Blues foi contemplado.

De Minas Gerais vem o Duo Mitre, formado pelas irmãs Luísa Mitre, pianista e compositora, e Natália Mitre, vibrafonista, nomes da nova cena instrumental brasileira. Elas apresentam o show “Chegada”, celebrando a parceria musical da vida e dos palcos. No repertório, passeiam por temas de grandes nomes da música instrumental brasileira, além de obras autorais.

Dois pernambucanos são atrações em 2020. Um deles é o renomado Nando Cordel, compositor incansável, com mais de 500 músicas gravadas por grandes intérpretes do país, tendo entre os parceiros nomes como Dominguinhos, Fausto Nilo e Geraldo Azevedo. O outro é o pianista e compositor Amaro Freitas, uma das revelações do jazz brasileiro recente. Com Jean Elton (baixo acústico) e Hugo Medeiros (bateria) formam o Amaro Freitas Trio, que apresenta o show “Rasif”. O grupo traduz ritmos como frevo, baião, maracatu e ciranda para a linguagem do jazz.

Com o brasiliense Pablo Fagundes, um dos grandes gaitistas brasileiros, vem Felix Júnior (violão 7 cordas) e Pedro Almeida (bateria). Eles formam o Trinca Brasília, grupo que em 2018 foi vencedor do CCBC Jazz Fest, festival realizado em Toronto, Canadá, concorrendo com 120 bandas de vários países. Também de Brasília, onde vive há mais de 30 anos, vem o pianista mineiro Antônio Carlos Bigonha, na companhia de mais dois grandes instrumentistas que já estiveram no Festival em outros Carnavais: o baixista Jorge Helder e o baterista Jurim Moreira. Eles apresentam o show do disco Anathema, que gravaram juntos, com músicas autorais.

O cearense Quinteto Aqualtune, criado especialmente para esta edição, faz um tributo a Joyce e João Donato no show “Elas, o Brasil e o Jazz”. As integrantes são Luiza Nobel (maior revelação das vozes femininas na capital cearense em 2019), Lu Basile (professora universitária, nos teclados e na direção musical), Bárbara Sena (musicista que se formou na cena do choro e hoje se destaca também com shows e composições próprios), Mirele Alencar (contrabaixista que atua com vários grupos em Fortaleza) e Ayla Lemos (jovem baterista que também trabalha com diversos artistas e coletivos da cena cearense).

Uma parceria que promete uma mistura bem temperada no Festival é de Nonato Lima e Sérgio Groove, com o show “Coisas do Brasil”. Nonato é um jovem instrumentista cearense que vem despontando entre os acordeonistas do Nordeste; Groove, do Rio Grande do Norte, é um contrabaixista de grande notoriedade, com mais de 25 anos de carreira e atuação dentro e fora do país. Além dos palcos, lecionou na Berklee College Of Music, renomada escola de música americana. Ambos transitam com desenvoltura em vários segmentos, do forró ao jazz.

Por falar em parceria, dois dos mais respeitados guitarristas da cena musical cearense, com trabalhos de distintas vertentes, vão estar juntos em um show que promete aquecer esta edição. São eles Cristiano Pinho, com sua sonoridade inconfundível que já compartilhou com grandes nomes da música brasileira, e Felipe Cazaux, bluesman dos mais renomados no Estado, com trabalhos autorais apresentados Brasil afora. O título do show já dá ideia do que vai ser: “Guitarras”.

Cazaux também vai estar na apresentação que marcará os 10 anos do Casa do Blues, projeto que reúne as principais bandas e grandes intérpretes do gênero no Ceará, sendo um grande responsável pela difusão do blues na noite de Fortaleza. Estarão também no palco dessa festa os guitarristas Anderson Camello e Gabriel Yang, a cantora Marília Lima e a banda Blues Label, formada por Roberto Lessa (guitarra e voz), Leonardo Vasconcelos (teclado e voz), Renato Cazzolli (contrabaixo) e Marcelo Holanda (bateria).

Uma das referências deste gênero no Ceará é De Blues em Quando, que vai encerrar a programação serrana do 21º Festival Jazz & Blues. Com 16 anos de carreira, a banda formada por Alvim (guitarra, lapsteel, cigarbox e vocal), Diogo Farias (gaita e vocal), Thiago Vieira (guitarra), Miquéias dos Santos (baixo) e Denilson Lopes (bateria) lança nesta edição o seu terceiro álbum, intitulado Do Baú, com composições autorais inéditas.

O time feminino do Festival tem ainda a cantora e instrumentista cearense Lidia Maria que apresenta repertório do álbum Viva, seu segundo trabalho, com composições autorais que passeiam por sonoridades da música brasileira e universal, como bossa nova, samba-rock e soul.

É de composições autorais também o show “Avessa Manhã”, do instrumentista, cantor e compositor maranhense Tutuca Viana, apresentando repertório do disco homônimo lançado em 2018. Tutuca é nome de referência no seu Estado, sendo um grande responsável pela difusão do jazz, como realizador do Lençóis Jazz & Blues Festival. Todas as atrações, com exceção de Tutuca Viana, que estará somente na programação de Fortaleza, se apresentam em Guaramiranga e algumas também em Aquiraz e na Capital.

Apresentado pelo Ministério da Cidadania e Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, com apoio institucional do Theatro José de Alencar, Cineteatro São Luiz, Instituto Dragão do Mar, Instituto Federal do Ceará, Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga, Prefeitura Municipal de Guaramiranga, Prefeitura Municipal de Aquiraz e TV Ceará, o 21º Festival Jazz & Blues tem como patrocinadores o Banco do Nordeste do Brasil, a Cagece e a Cegás. Agradecimento: Enel. Apoio cultural: Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, Casa Pio, Funarte, Ibermúsicas e Mercadinho São Luiz. Realização: Ministério da Cidadania/Secretaria Especial da Cultura e Via de Comunicação e Cultura.

SERVIÇO

Festival Jazz & Blues 2020 – De 22 a 29 de fevereiro em Guaramiranga (22 a 25), Aquiraz (22 e 23), Maracanaú (27) e Fortaleza (27 a 29). Informações: www.jazzeblues.com.br Instagram: @festivaljazzeblues. Facebook: Festival Jazz & Blues (CE). Tel: (85)3114-7878.

Ingressos: Show das Nove na Cidade Jazz & Blues, em Guaramiranga: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia). Show no Cineteatro São Luiz:  R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia). Show no Theatro José de Alencar: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). O restante da programação tem acesso gratuito. Informações sobre venda de ingressos no site do Festival.

ENDEREÇOS

Em GUARAMIRANGA:

Shows – Cidade Jazz & Blues (Rua Joaquim Alves Nogueira, s/n – Centro, no Estádio Municipal Jean Bardawil); Café no Tom – Restaurante Basílico (Rua Joaquim Alves Nogueira, s/n – Centro, Praça do Teatro Rachel de Queiroz); Oficinas – AGUA – Associação dos Amigos da Arte de Guaramiranga (Rua Joaquim Alves Nogueira, s/n – Centro, ao lado do Teatro Rachel de Queiroz); Minicursos – IFCE Campus Guaramiranga (Sítio Guaramiranga, s/n, Centro). 

Em AQUIRAZ:

Shows e oficina – Teatro Tapera das Artes (Rua Antônio Gomes dos Santos, s/n – Centro).

Em MARACANAÚ:

Oficina – Teatro Municipal Dorian Sampaio (Rua Edson Queirós, s/n – Centro).

Em FORTALEZA:

Shows – Cineteatro São Luiz (Rua Major Facundo, 500 – Centro), Centro Cultural Bando do Nordeste (Rua Conde d’Eu, 560 – Centro) e Theatro José de Alencar (Rua Liberato Barroso, 525 – Centro); Oficina-concerto – Espaço CEGÁS de Cultura (Av. Washington Soares, 6475 – José de Alencar), Centro Cultural Banco do Nordeste e Casa de Vovó Dedé (Rua Jerônimo de Albuquerque, 445 – Barra do Ceará).

Continue Reading
Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *