Agentes Comunitários e de Endemias estão em pé de guerra com a prefeita Raquel Lyra

 Agentes Comunitários e de Endemias estão em pé de guerra com a prefeita Raquel Lyra

Em assembleia, na manhã desta quarta-feira (13/09) os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e Agentes de Combate às Endemias (ACE) da cidade de Caruaru, no Agreste pernambucano, decidiram cessar as atividades por três dias, a saber: de 18 a 20 desse mês de setembro (de segunda a quarta-feira).

Entenda a situação – Desde o início desse que o SINDACSE-PE Agreste – Sindicato dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias do Agreste Setentrional de Pernambuco, por meio de sua diretoria, busca diálogo com a gestão da prefeita Raquel Lyra (PSDB/PE), inclusive, obtendo dela a promessa de atender aos pleitos dos referidos agentes, que anseiam pelo que estabelece as leis, em relação aos seus direitos. Contudo, de forma sucessiva, a prefeita tem demostrado “falta de habilidade” de respeitar os próprios acordos firmados com os trabalhadores, não respeitando as agendas que ela mesma estabeleceu, em vários momentos.

Intransigência e arrogância

No final do mês passado, houve vencimento de mais um prazo estabelecido pela prefeita. A consequência dessas sucessivas faltas, manifestas ao longo desse ano, tem empurrado os agentes de saúde (ACS e ACE) a uma greve por tempo indeterminado.

Em face da intransigência da prefeita e de sua arrogância, manifesta em diversas ocasiões em que tentou inibir o cumprimento ao que estabelece as leis de nosso país, em relação aos direitos dos citados trabalhadores, foi decidido por uma paralisação de advertência por três dias. Caso as negligências sejam mantidas, agentes comunitários e de endemias irão paralisar as suas atividades por tempo indeterminado.

A Prefeitura de Caruaru não só prejudica os mais de 800 agentes comunitários e de combate às endemias da cidade – como também prejudica a população, que é atendida pelos servidores. Não há como garantir a excelência na prestação dos serviços à sociedade caruaruense, quando os direitos básicos dos trabalhadores são desrespeitado pela própria administração pública, que tem a função de garantir tais serviços com qualidade.

O presidente do SINDACSE-PE Agreste, Natalício Faustino da Silva, esclarece que os agentes decidiram deflagar a paralisação em face do desprezo que a prefeitura tem dado as duas categorias. “Tentamos dialogar de todas as formas, durante esses oito meses, mesmo a prefeita não respeitando os acordos firmados com as duas categorias, infelizmente não nos resta outra saída, a não ser a deflagração de uma greve paralisação e, caso a negligência persista, iremos estabelecer uma greve por tempo indeterminado. Tal coisa não é de nosso interesse, contudo, estamos sendo empurrado a isso, disse o presidente do sindicato.

Fonte: Jornal de Caruaru

Edição: Geibson Almeida

robsonouropreto

Related post

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *