Dia Municipal do Forrozeiro é festejado na Câmara Municipal do Recife.

 Dia Municipal do Forrozeiro é festejado na Câmara Municipal do Recife.

Forrozeiro é todo aquele e aquela que canta, dança, toca, compõe, produz e divulga o gênero musical Forró. E para homenagear esses artistas, o vereador Almir Fernando (PCdoB) promoveu uma solenidade no plenário da Casa de José Mariano, na tarde desta segunda-feira (4), para marcar o Dia Municipal do Forrozeiro, uma lei de sua autoria que instituiu a data no calendário da cidade, celebrada em 12 de junho. Na ocasião, 24 personalidades receberam um diploma, além de uma homenagem ao jornalista Raphael Acioli (In Memorian) que, com o seu trabalho, contribuiu para a propagação do ritmo pernambucano. O vereador Hélio Guabiraba (PSB) presidiu o evento.

A mesa da solene foi composta por Gilberto Sobral, secretário executivo de Articulação da Secretaria de Cultura do Recife; Éder Rocha, empresário e fundador do site suamusica.com; Antônio Paulino, vice-presidente da Associação dos Forrozeiros de Pernambuco (ASFOPE); a cantora Cristina Amaral e Amauri Nascimento, representando todos os forrozeiros.

Segundo a justificativa da solenidade, o vereador Almir Fernando ressaltou que ser um forrozeiro é comparável a ser um beato religioso e que ele encanta a todos e todas que estão ao redor. “Pois, em ambos os trabalhos, existe a crença, o amor e, principalmente, o respeito, que, no caso do forrozeiro, é por um segmento musical. Essa é a sexta edição do Dia Municipal do Forrozeiro e não tivemos a oportunidade de fazer na data exata, dia 12 de junho, por conta das chuvas”.

O vereador detalhou a história do forró que nasceu no século XIX na região de Pernambuco onde eram realizados os bailes populares. Dizem que a palavra forró vem do inglês ‘for all’ (apara todos). As festas eram realizadas pelos militares dos Estados Unidos que trabalhavam na base na Segunda Guerra Mundial, na base de Natal. O poeta e professor Luís da Câmara Cascudo dizia que o termo forró vem da palavra forrobodó, de origem bantu, tronco linguístico africano, que influenciou o idioma brasileiro, sendo base cultural de identidade no Brasil escravista, que significa arrasta pé, farra, confusão e desordem”.

De acordo com o parlamentar, comemorar o Dia Municipal do Forrozeiro na cidade do Recife é poder celebrar a vitória no reconhecimento desse segmento por parte do Poder Legislativo Municipal. Ele lembrou da lei, de sua autoria, que declara o Forró como Patrimônio Cultural Imaterial do Município do Recife. “Vamos engrandecer o forró e os seus seguidores, reverenciar os forrozeiros por toda a luta em defesa dessa cultura que é tão nossa, nordestina, recifense e popular. Temos o nosso grande Luiz Gonzaga que a partir de 1950 fazia uma grande música. Depois foram criados outros tipos de forró, mas o maior que temos é o famoso trio pé de serra. E tem que ter mesmo porque, se não, não é forró. O forró agora é declarado Patrimônio Cultural Imaterial do Município do Recife o Ritmo Musical Forró, por meio de uma iniciativa minha, a lei 18.910/2022, e que o prefeito João Campos sancionou. Parabéns para todos vocês”.

Após o discurso de Almir Fernando, foram chamadas 25 personalidades, dentre eles o jornalista Raphael Acioli, (In Memorian), que foi representado por seu pai, Bartolomeu Acioli. Depois da entrega, o forrozeiro Jerimum Andejo fez uma apresentação musical.

Gilberto Sobral, secretário executivo de Articulação da Secretaria de Cultura do Recife, subiu à tribuna da Casa para saudar os homenageados e homenageadas. Ele recordou os momentos difíceis da pandemia que ainda têm se estendido, e enalteceu que o Recife vive o Ciclo Junino, adiado por conta dos problemas ocorridos nas fortes chuvas que caíram na cidade. “Estamos com 155 apresentações de artistas pernambucanos, 40 quadrilhas juninas, vários campeonatos, salas de reboco e a gente ouve no Sítio Trindade que o Recife trouxe o interior para a capital porque o verdadeiro São João raiz está acontecendo aqui”.

O secretário disse que via com muita preocupação a situação que os artistas estão passando diante da pandemia e das chuvas, e que a gestão municipal está para ajudar a categoria. “A pandemia não acabou, o prejuízo para a cadeia da música, artistas, produtores vai demorar para que seja minimizado. Não vai ser um São João ou um Carnaval do ano que vem que vai recuperar de um prejuízo de dois anos parados. Com todo o respeito aos artistas de grandes cachês, eles não sofreram tanto quanto um poeta popular, sanfoneiro que, além de estar parado, ainda teve muitos que perderam suas casas, instrumentos, suas vestimentas por conta das chuvas. E o poder público tem a obrigação de dar a mão a essas pessoas e é o que o governo vem fazendo com determinação. Gostaria também de saudar o vereador Almir Fernando que tem sido um parlamentar que homenageia os mais diversos setores da cultura. Parabéns para todos vocês”.

Em nome de todos os forrozeiros e forrozeiras, o sanfoneiro Amauri Nascimento disse que o forró é uma joia rara e que momentos vividos como este, na Câmara Municipal, são valorosos para os artistas. “Só posso dizer que é muito importante ter um momento de olhar um para o outro aqui, hoje. Agradeço a Almir Fernando por essa iniciativa. Quando alguém olha uma sombrinha colorida, lembra o frevo. Os óculos, chapéu de couro e sanfona, lembram Luiz Gonzaga. Tenho muita honra como cantor e compositor de estar com vocês. A gente faz cultura em tantas circunstâncias difíceis que só posso homenagear, também, tantos que não estão aqui. Uma salva de palmas a todos e todas que fazem esse setor”.

Após concluir seu discurso, Amauri Nascimento cantou a música chamada Tem Jeito Não. Emocionado, o vereador Hélio Guabiraba elogiou Almir Fernando e saudou os artistas presentes no plenário da Casa de José Mariano. “Estou muito emocionado porque acompanhamos de perto as dificuldades que cada artista enfrenta. Eu gostaria de agradecer a todos e todas por hoje. Muito obrigado e parabéns”. Ao finalizar a Solene, o cantor Roberto Lins cantou o Hino do Recife.

HOMENAGEADOS E HOMENAGEADAS:

1- Amauri Nascimento – Cantor, Compositor
2- Azulão – Cantor, Compositor e ícone do Forró
3- Azulinho – Cantor e Compositor
4- Cristina Amaral – Cantora
5- Éder Rocha – Empresário e Fundador do site suamusica.com
6- Elly Carper – Cantora
7- Everaldo Dèvere – Produtor Artistico
8- Fernando Medeiros – Divulgador
9- Hígia Oliveira – Produtora Artística, Radialista, Jornalista
10- Hildebrando Marques – Radialista, Sanfoneiro e Compositor
11- Israel Filho – Cantor, Compositor
12- Itallo Costa – Sanfoneiro, Cantor e Compositor
13- Jerimum Andejo – Radialista, Apresentador de TV, Produtor Cultural
14- Júnior Vieira – Poeta, Cantor e Compositor
15- Katyucia – Cantora, Compositora
16- Mestre Gennaro – Sanfoneiro, Compositor, Cantor
17- Múcio Rodrigues – Cantor e Compositor
18- Nill Wagner – Radialista e Apresentador de TV
19- Paulão Santos – Cantor, Compositor
20- Petrucio Holanda – Divulgador e Produtor Cultural
21- Roberto Lins – Cantor, poeta, Compositor
22- Rodrigo Raposo – Jornalista, Cantor, Compositor
23- Sandrelle França – Radialista
24- Zélito Madeira – Cantor, Compositor
25- Homenagem Especial: Raphael Acioli – Jornalista, Assessor de Imprensa (In Memorian)

Digiqole Ad Digiqole Ad

Notícias relacionadas