Nos siga nas redes sociais

Política

PSB PRONTO PARA LANÇAR CANDIDATO EM GARANHUNS

Publicado

em

Sivaldo Albino é o novo líder do PSB na Alepe
Paulo Câmara e Sivaldo Albino

Sivaldo Albino (PSB) ainda não decidiu se disputará a prefeitura de Garanhuns. Talvez porque está bem no mandato de deputado estadual, líder do seu partido na Assembleia Legislativa, prestigiado pelo governador, podendo ajudar à Suíça Pernambucana e o Agreste Meridional,  ou por outros motivos como a dispersão de forças de oposição.
O que Sivaldo tem dito, porém, é que o Partido Socialista terá candidato em Garanhuns e disputará a sucessão do prefeito Izaías Régis com um nome competitivo e estrutura que dará ao partido a chance de vencer a eleição.
Seja quem for o candidato do PSB, terá ao seu lado um batalhão de soldados tentando uma vaga na Câmara de Vereadores.
São 62 pré-candidatos a vereador, no PSB, PSD e MDB. A previsão é de que esses três partidos vão garantir oito ou mesmo nove vagas na Câmara, já que nomes de expressão – alguns com forte potencial eleitoral – participarão da disputa.
Não dá para citar o nome de todos, mas alguns dos pré-candidatos têm tudo para fazer bonito na eleição: Os vereadores Tonho de Belo e Betânia da Ação Social, os ex-vereadores Paulo Leal, Cláudio Taveira e Eraldo Caxiado, Joaci Laurindo também faz parte do grupo, mas não deve ser candidato), o ex-gerente executivo do INSS, Chico Alencar, advogada Claudomira Andrade, professor Carlos Tevano, Johny Albino (atual gerente do Ciretran), Hélio Faustino,  Ricardo Pereira (tem força na zona rural) e César Brasil.
Posteriormente, outros nomes poderão ser acrescentados à lista acima, inclusive outros vereadores poderão ficar com o candidato de oposição.
Além de um bom grupo local, da estrutura dos três partidos e da liderança de Sivaldo Albino, oposicionistas terão apoio decisivo do governador Paulo Câmara, que tem dado uma atenção especial a Garanhuns neste segundo mandato, com construção de escola técnica, novas contratações para o Hospital Dom Moura, reforço na segurança pública, apoio para construção do futuro Parque de Lazer da Boa Vista, reforço dos equipamentos do Corpo de Bombeiros e aumento da verba do Festival de Inverno, como aconteceu o ano passado.
Depois do Recife, Garanhuns pode ser a cidade mais importante para o PSB na eleição deste ano, uma vez que o partido não tem nomes competitivos em municípios como Caruaru e Petrolina.
Independente de ser candidato ou não, Sivaldo tem procurado conversar com lideranças políticas de outros partidos, já tendo aberto o diálogo com Luizinho Roldão (PC do B), Zaqueu Lins (PP), coronel Campos (PSL), Alfredo Goes,  os ex-prefeitos Ivo Amaral e Bartolomeu Quidute, além de pessoas que hoje estão no grupo do prefeito Izaías Régis.
Embora em 2018 tenha acompanhado Paulo Câmara no apoio a Fernando Haddad, ao contrário de Izaías, que votou em Bolsonaro, o deputado não pretende nacionalizar a campanha, convencido de que a discussão se dará em cima dos problemas da cidade.
Sivaldo acredita que a eleição em Garanhuns terá um caráter plebiscitário, cabendo ao povo decidir se quer o continuísmo, o mesmo grupo ocupando todos os cargos, ou a renovação, quando a mudança poderá oxigenar a máquina pública, com a revelação de novos quadros técnicos e políticos e a abertura de espaço para uma nova geração.
Criação de empregos, ampliação dos eventos com menos gastos por parte do município, parceria com o governador do Estado e os empresários de Garanhuns, fortalecimento do FIG, recriação do Festival do Jazz, participação da sociedade nas decisões, maior atenção à educação, à saúde e à assistência social são preocupações do deputado.
Ele e seu grupo defenderão essas pautas, ouvindo a população será elaborado um programa de governo e todos deverão “pensar grande”, fazendo com que Garanhuns seja olhada como uma grande cidade e não uma província administrada por um coronel modernoso cercado de aduladores.
Quando março chegar teremos definições, então o PSB anunciará o seu candidato, com o pelotão que tentará o máximo possível de vagas na Câmara, adesões esperadas e inesperadas, uma oposição aguerrida tentando convencer o povo de Garanhuns que pode fazer mais e melhor e de que o nome escolhido pelo prefeito não está preparado para governar um município de 150 mil habitantes, polo de todo o Agreste Meridional.

Roberto Almeida