Nos siga nas redes sociais

Destaques

Trabalhadores são expulsos de fiteiros do Bairro de São José

Prefeitura do Recife realizou a retirada dos equipamentos e mercadorias sem aviso ou comunicado oficial

Publicado

em

Fotos: Divulgação

Cerca de mais de 30 trabalhadores e trabalhadoras, em sua grande parte, proprietários de fiteiros do bairro de São José, foram recentemente expulsos dos seus postos de trabalhos pela Prefeitura do Recife, através da Diretoria Executiva de Controle Urbano do Recife – Dircon. Durante a pandemia, o órgão aproveitou a reforma do calçamento em torno do Mercado de São José e realizou a retirada dos equipamentos e mercadorias sem  comunicado oficial.

 

O conjunto de ações de ordenamento no Bairro de São José, realizado pela Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife (Semoc), teve início em setembro de 2019, onde barracas (diferentes dos fiteiros) que ocupavam a Rua do Porão e a Travessa do Macêdo foram realocadas para o Centro de Comércio do Cais de Santa Rita e Anexo do Mercado de São José. No caso dos fiteiros, são pontos fixos com mais de 50 anos de existência, essenciais para a sobrevida do comércio local.

Os postos de trabalho além de serem heranças de família, são conhecidos pelas atividades diversas oferecidas em torno do Mercado de São José e que integram dinâmica do bairro, conhecida também pela cultura local. São trabalhadores e trabalhadoras que herdaram ofícios de consertos, amolação, sapataria, manutenção, entre outros. Atualmente toda a renda de sustento familiar vem dos serviços oferecidos através dos fiteiros.

 

José Barros, 52 anos, trabalha desde a década de 70 no mesmo ponto. “Não fui avisado sobre a retirada do meu fiteiro, não recebi nenhum comunicado. Soube que haveria uma revitalização das calçadas em torno do mercado. A minha sorte foi que eu vim trabalhar e uma funcionária da Prefeitura solicitou que eu retirasse minha mercadoria, que não iria ficar nada. Desde os oito anos de idade eu já frequentava este ponto, quando trazia almoço para o meu pai”, conta o trabalhador.

 

Ivanise Ferrari, 54 anos foi surpreendida pela ação dos funcionários da Prefeitura do Recife. “Um colega me avisou que a Prefeitura estava fazendo obras nas calçadas e talvez os fiteiros poderiam ser atingidos. Entrei em contato com a pessoa responsável da Prefeitura que cuida da manutenção dos fiteiros e a mesma informou que por conta da pandemia, não haveria mudanças. Após uma semana, fiquei sabendo que estavam retirando os fiteiros junto com as mercadorias, sem nenhuma comunicação com os trabalhadores”, explica Ivanise.

 

A PCR além de não comunicar oficialmente sobre a retirada dos equipamentos do Bairro de São José, também não apresentou um plano de realocação dos fiteiros. Os proprietários e trabalhadores estão abertos ao diálogo e cobram um posicionamento da Prefeitura, pois não dispõem de outras atividades para obter o sustento de suas famílias. Esperam que seja apresentado um projeto que inclua os fiteiros nas ações de ordenamento no Bairro de São José para que possam dar continuidade às suas atividades, principalmente quando o comércio recifense retomar.