Raquel Lyra Anuncia Fornecimento de Gás Natural com Desoneração do ICMS para o Polo Gesseiro do Sertão do Araripe

Chegada do gás natural transforma matriz energética do Polo Gesseiro, promovendo sustentabilidade e impulsionando a produção de gesso na região.
 Raquel Lyra Anuncia Fornecimento de Gás Natural com Desoneração do ICMS para o Polo Gesseiro do Sertão do Araripe

Foto: Janaína Pepeu/Secom

A produção de gesso no Sertão do Araripe ganhará um novo impulso com o início do fornecimento do gás natural na região. O anúncio foi feito nesta terça-feira (6) pela governadora Raquel Lyra, acompanhada pela sua vice, Priscila Krause, em cerimônia realizada no município de Araripina. A Companhia Pernambucana de Gás (Copergás) passará a abastecer o Polo Gesseiro do Araripe, proporcionando sustentabilidade à produção. O investimento inicial é na ordem de R$ 6 milhões e o projeto piloto será iniciado em abril. Para incentivar as empresas a adotarem a nova forma energética, o Governo do Estado zerou o ICMS do gás que será vendido para as indústrias do gesso.

Cada território precisa viver das suas próprias potencialidades, e assim é o gesso aqui no Araripe. Aqui teremos gás com ICMS zero para garantir que essa região amplie seu desenvolvimento e gere mais e mais empregos com nosso investimento inicial de cerca de R$ 6 milhões. Concretizar essa demanda histórica e mudar a matriz energética do Polo Gesseiro vai ajudar a preservar nossa caatinga. As agendas de meio ambiente e desenvolvimento sustentável se uniram e estão alinhadas na nossa gestão”, destacou Raquel Lyra.

A vice-governadora Priscila Krause ressaltou que a chegada do gás natural ao Araripe representa uma verdadeira guinada para o Polo Gesseiro. “Primeiro, ao garantir uma melhor competitividade às empresas da região no mercado de gesso, por ter acesso ao gás natural mais barato do Brasil. E, segundo, pela sustentabilidade e o diálogo com o nosso Plano Pernambucano de Mudança Econômico-Ecológica, o PerMeie, substituindo a lenha por uma matriz energética mais limpa e segura”, frisou.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Guilherme Cavalcanti, os produtores não terão limites para produção, também podendo trazer outras empresas para fabricar no Sertão do Araripe. “Isso representa uma vitória de mais de 30 anos de espera por uma mudança de matriz energética que possa preservar a caatinga, garantindo que possam parar de usar a lenha como combustível. É uma mudança de realidade e tempo para Araripina”, afirmou.

As empresas dos seis municípios que compõem o Polo usam lenha, matriz energética escassa e que atualmente promove o desmatamento da Caatinga. Com a adoção do gás natural, a indústria local será mais sustentável ambientalmente, com uma combustão mais limpa.

Segundo o presidente da Copergás, Felipe Valença, com o início das obras no final do ano, a partir do primeiro semestre de 2025 já terá a base operacional. “Estimamos que, nesse primeiro momento, ao menos 30 empresas adaptem sua queima energética para o gás natural, representando R$ 20 milhões na economia por ano, apenas nessas empresas”, enfatizou.

A região tem capacidade para consumir cerca de 320 mil metros cúbicos de gás natural por dia. Isso equivale a 20% do volume distribuído hoje pela Copergás e superior a outras distribuidoras de gás natural. A Companhia irá recolher cartas de adesão ao novo projeto.

A região é responsável por 97% de todo o gesso produzido no Brasil e a gipsita (matéria-prima do gesso) encontrada nos municípios de Araripina, Bodocó, Exu, Ipubi, Santa Filomena e Trindade, é considerada de alta qualidade, com a pureza do minério variando entre 88% e 98%.

Essa iniciativa da governadora tira o polo gesseiro da idade média e traz para a contemporaneidade. É um feito extraordinário e só temos que comemorar”, falou o prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel, que esteve acompanhado da deputada estadual Socorro Pimentel.

A Copergás tem a intenção de construir um terminal de regaseificação no Araripe para viabilizar o projeto. Uma estrutura semelhante já está instalada nos municípios de Petrolina, no Sertão do São Francisco, e em Garanhuns, no Agreste.

Para o presidente do Sindicato da Indústria de Gesso de Pernambuco (Sindusgesso), Jefferson Duarte, a chegada do gás marca um novo momento no Sertão do Araripe. “Esse é um momento histórico para o polo gesseiro, que precisa de um olhar clínico e atencioso. Trocar a matriz energética com a chegada do gás vai proporcionar investimentos e desenvolvimento na nossa região”, registrou.

ENERGIA – Ainda em Araripina, o Governo de Pernambuco e a Neoenergia inauguraram uma nova Subestação de Energia no município. O empreendimento recebeu um investimento de R$ 100 milhões e vai promover mais qualidade, confiabilidade e continuidade para cerca de 360 mil pessoas que residem nos municípios de Araripina, Trindade, Ipubi, Ouricuri, Bodocó, Exu, Parnamirim, Santa Cruz, Granito e Moreilândia.

Com maior capacidade e qualidade no fornecimento de energia, a partir da inauguração da subestação Araripina II, a região vai ser propícia para atração de novos empreendimentos, garantindo mais emprego e renda para a população”, registrou a governadora.

Essa subestação proporcionará mais desenvolvimento para a região na medida em que traz mais abastecimento elétrico, melhorando a qualidade do fornecimento”, pontuou o presidente da Neoenergia Pernambuco, Saulo Cabral.

SAÚDE – Também no município, a governadora Raquel Lyra e sua comitiva visitaram as obras do Hospital do Câncer do Sertão do Araripe, que está sendo construído pelo Instituto Social Medianeiras da Paz. A unidade de saúde beneficiará pacientes de 11 municípios da região.

Acompanharam as agendas em Araripina os prefeitos Helbinha Rodrigues (Trindade), Chico Siqueira (Ipubi), Ricardo Ramos (Ouricuri) e Eliane Soares (Santa Cruz); o presidente da Câmara Municipal de Araripina, Roseilton Oliveira; o assessor especial da governadora, Guilherme Coelho; a secretária de Meio Ambiente, Sustentabilidade e de Fernando de Noronha, Ana Luiza Ferreira; o diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, André Teixeira; e o presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), José Anchieta.

Foto: Janaína Pepeu/Secom

Digiqole Ad Digiqole Ad

Notícias relacionadas

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *